Marketing a retalho: Quando os factos batem a ficção.

Depois de experimentar a conversão da loja, o metaverso e tudo o que era novo no Grande Salão do Retalho, está na altura de nos concentrarmos em ideias e abraçar novas tecnologias. Descubra o que a sua empresa ou serviço precisa de resolver em 2022.

Dois anos de pandemia é pelo menos há quanto tempo estamos a lidar com esta realidade até agora. Chamam-lhe a “nova realidade”, penso que continua a ser apenas a realidade. Talvez seja necessário dar-lhe um novo nome para que possamos aceitá-lo, processá-lo, para que não se torne extremamente difícil. O que muda são as formas como nos movemos, as formas como interagimos, as formas como nos unimos. Temos a necessidade imperiosa de tentar controlar a realidade, não sei se teremos sucesso, mas temos a capacidade de a interpretar e de nos movimentarmos com agilidade para evitar os obstáculos que se nos apresentam.

Juntamente com a equipa de gestão do Marco MKT, tivemos a tremenda oportunidade de regressar à NRF em Nova Iorque, para o Grande Salão do Retalho. Era fascinante estar de volta a um evento físico, com pessoas, a falar cara a cara. Não apenas para estar com outras pessoas, mas para poderem estar juntos, partilhando, gerando experiências, aprendendo. Nada substitui a experiência física, a revolução tecnológica a que estamos a assistir complementa-a e multiplica-a.

Marketing a retalho: Quando os factos batem a ficção. - MarcoMKT

Articulação das peças

Os oradores da NRF, todas as principais figuras da indústria, canais de venda, marcas, fornecedores, referiam-se consistentemente a coisas tão simples, mas reveladoras como ser humano, ser autêntico, curioso, empático, disciplinado.

Ao mesmo tempo, é evidente que existem muitos problemas com a cadeia de abastecimento, com a oferta de mão-de-obra (“grande resignação”), e com a inflação global. Todas as três variáveis estão intimamente relacionadas com algumas das consequências da COVID, e muitas das conferências a que pudemos assistir tiveram uma parte destas questões emergentes.

Fomos informados sobre todas as formas de compras online, sem absolutamente nenhum contacto com mais ninguém ou as várias formas de pagamento sem contacto. Falou-se muito em liderança, compaixão, novas formas de trabalho, WFH (trabalho a partir de casa), e como isto terá impacto nas formas de consumo.

Permitam-me acrescentar dois pontos-chave, que estavam na boca de (quase) todos os oradores. Em primeiro lugar, à enorme importância dada à diversidade e inclusão, falou-se de um mundo e cultura diversos e inclusivos, não apenas para as pessoas, mas para as ideias democráticas. Segundo, a relevância do termo Metaverso, um novo universo, ou melhor, tantos universos digitais como a mente humana pode criar.

Vamos tentar compreender esta nova realidade, ou simplesmente a realidade.

Post a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.